domingo, 11 de maio de 2008

Mãe

"Por que Deus permite que as mães vão-se embora? Mãe não tem limite, é tempo sem hora, luz que não apaga quando sopra o vento e a chuva desaba, veludo escondido na pele enrugada, água pura, ar puro, puro pensamento.


Morrer acontece com o que é breve e passa sem deixar vestígio. Mãe, na sua graça, é eternidade. Por que Deus se lembra - mistério profundo - de tirá-la um dia? Fosse eu Rei do Mundo, baixava uma lei: Mãe não morre nunca, mãe ficará sempre junto de seu filho e ele, velho embora, será pequenino feito grão de milho".


Para Sempre

Carlos Drummond de Andrade







Parabéns àquelas que dedicam seu tempo a nos amar e proteger, sempre!!!
.
-----------------------------------------
.
Acesse minha coluna "Inspirações" e confira o texto "Tempo"!

5 comentários:

Sonia Regly disse...

Lindo esse poema do Carlos Drummond de Andrade. Mãe não deveria morrer, deveria ser eterna!!! Vim te convidar para conhecer o Compartilhando as Letras.www.compartilhandoasletras.blogspot.com

Sonia Regly disse...

Gostei do seu Espaço, voltarei ouras vezes.

Edna Federico disse...

Drummond cabe em qualquer ocasião!
Beijo

Humana disse...

Marco,
este poema é lindo!
Como mãe que sou agradeço as tuas palavras. Amor de mãe é sublime.
Tenho 2 meninos que adoro mais que tudo na vida e acredita que apesar de fazer já no próximo mês 41 anos, acho que não estou preparada para perder a minha mãe.Acho que ninguém está, não é?
Beijinhos querido amigo

Zek disse...

Gostei cara, Drumond é um gênio das palavras !!! eu brinco ( no modo infantil mesmo) com elas.
Da uma olhada no meu blog, fiz um texto falando sobre o meu pai, pode criticar a vontade !!!!!!